os suicidas

156.
um refúgio. procurava
-o quando encontrou
a janela mais alta de si.

157.
no mar viu um labirinto
azul de liberdade. rosnou-lhe
e como se ele não respondesse
deixou-se ir na última maré.

158.
apanhou os cabelos
recolheu as mágoas
respigou algumas memórias
abriu a torneira. oferenda.

159.
era já um corpo efémero
isqueiro
ou combustível.
tem lume? tinha.

160.
por dentro da memória
o seu nome adoecia
na inocente distância de um deus.

Anúncios

~ por pedroteixeiraneves em Setembro 27, 2010.

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s

 
%d bloggers like this: