os suicidas

160.
por dentro da memória
o seu nome adoecia
na inocente distância de um deus.

161.
levou os dedos aos lábios
palpitaram sombras
uma turva permanência agitou-se
ruindo-lhe as pernas.

162.
antigamente chegar
era um caminho de luz. Agora
fonte inclemente de gritos.

163.
para lá do seu corpo
quem observasse com atenção
podia ver um silêncio puro.

164.
não bastavam já o pão
a água a luz as cores os cheiros
o olhar secara.

~ por pedroteixeiraneves em Outubro 7, 2010.

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s

 
%d bloggers like this: