zambujo vs josé luís gordo, excerto de uma conversa a chegar na edição de janeiro da «epicur» – foto ptn

O que significa deixar cair o Fado na banalidade?
José Luís Gordo – Olha, por exemplo, por o fado a ser cantado no Eléctrico 28. Como é que se pode cantar o Fado com aquela chiadeira, aquele balanceio, com pessoas a entrar e a sair, a porem notas de euros nos buracos das guitarras, como se os cantores e os guitarristas fossem ceguinhos… É diferente: o Fado não precisa disso para sobreviver. Isso estraga o fado, não lhe dá mérito, retira-lhe.

António Zambujo – Sim, mas não vamos dizer que é tudo mau. As Festas da Cidade são um bom exemplo contrário do que se deve e pode fazer pelo Fado.

José Luís Gordo – Sem dúvida, mas numa cidade como Lisboa, cheia de pequenas praças, becos e ruelas onde se pode cantar o fado com dignidade, pô-lo num eléctrico… Tu ias lá cantar?

António Zambujo – Não, claro que não.

José Luís Gordo – Pois! E eu já o disse ao Miguel Honrado e ao António Costa. É claro que foi algum tinhoso que lhes foi lá vender esse peixe. Mas a culpa não é de quem vende, é de quem compra. Se querem pôr as pessoas a ver Fado, no seus ambientes naturais, as casas licenciadas, é preferível que as ajudem, por exemplo, a terem melhores cartazes, melhores elencos. Porque as despesas para ter uma casa com qualidade a funcionar 365 dias por ano são incalculáveis. Melhor era que dessem vouchers às pessoas que não têm possibilidades para ir a esses locais.

~ por pedroteixeiraneves em Janeiro 12, 2012.

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s

 
%d bloggers like this: